Resenhando: Guerra Mundial Z


Na semana passada fui assistir esse filme que já estreou há um tempinho e eu estava louca para ver porque acho interessante histórias que envolvem apocalipse zumbi e coisas loucas do tipo. Para mim, o ponto alto desse filme era ver as carinhas dos zumbis desfiguradas em 3D. Eu juro que eu esperei zumbis do estilo The Walking Dead, mas a história em bem diferente.
O filme mostra o apocalipse bem no inicio -o que traz ótimas cenas de ação que deixam os nervos a flor da pele- em uma avenida movimentada, a típico de filmes sobre o fim do mundo, como por exemplo 2012.
Mas ao invés de ondas colossais transformando toda uma cidade em água, estavam “tsunamis de mortos” crescendo pelas ruas e causando todo o alvoroço. No meio do caos, seguindo uma rotina diária, está a família de Gerry Lane (Brad Pitt) um ex-investigador da ONU, que é tão logo recrutado pelo governo americano, posto para assumir a liderança de um grupo que tenta investigar o principio e a cura da epidemia que se agrava a cada minuto, em troca de asilo para sua mulher e suas duas filhas.
A cereja do bolo esta na busca de Gerry pela cura que mostra em diferentes situações a forma como o vírus reage no corpo humano. Diferente do que acontece em The Walking Dead, por exemplo, a transformação do individuo em um dos mortos-vivos é muito rápida, o que massifica a situação. E ainda os zumbis correm, e correm muito rápido, como uma enxurrada, muito mais desesperados e famintos do que se vê em programas de TV e filmes. Esqueça os zumbis do clipe de “Thriller” do Michael Jackson e o passo “arrastando corrente”, pois eles são mais rápidos e bem dispostos que os próprios humanos. Deve se considerar que muito mais espertos e  consequentemente difíceis de lidar. Quem espera a caracterização assustadora, de bocas caindo e coisas parecidas o filme decepciona um pouco, pois como dito, o apocalipse é mostrado justamente no inicio, e os corpos ainda não haviam tido o tempo de se deteriorar dessa forma.
Confesso que o que mais me chamou atenção foi a diferença para as outras histórias, principalmente pelo fato de que não mostra a sobrevivência humana e mais nada, e sim a busca incessante pela cura e o explorar do principio de tudo.
Apesar de todos os pontos positivo eu saí do cinema com a impressão de ter visto um filme com muita superficialidade, pois nenhuma cena de morte –seja zumbi ou humana-, ou qualquer outra que envolvesse sangue foi exposta. Embora não seja uma defensora da carnificina desnecessária em filmes acho que nele faltou algo que atingisse de uma forma mais bruta ainda que assiste, e sobrou suavidade em alguma cenas, o que ponderavam  a sensação de desespero que o filme deveria transmitir, e fez sim uma grande falta.
Fora isso, enalteço o efeitos especiais, são ótimos e definitivamente nos levam a imaginar estar naquela situação. E devo dizer que cheguei a subestimar o papel de Brad Pitt no longa, mas depois do filme minha opinião foi extremamente contrária, ele esteve espetacular como Gerry. Sim, Guerra Mundial Z é um filme que eu pagaria para assistir de novo.
Nota: (4/ 5 balões)



Obs.: Atenção especial para a cena do avião. Sempre imaginei como seria um ataque zumbi dentro de um avião ><

Nenhum comentário:

Postar um comentário